Cannabis, ganza marijuana...

Curiosa substância, esta…Consumida há milhares de anos, a droga ilegal mais utilizada nos dias que correm, acusada de ser a porta de entrada para a toxicodependência, portadora de simbologia religiosa, ainda imagem de rebeldia, a Cannabis atrai sobre si ódios e amores. Que eu saiba, é a única planta que origina marchas globais em seu favor.

Não vou enveredar por uma explicação aprofundada acerca dos efeitos e riscos da cannabis. Já toda a gente sabe – acho eu – que a cannabis parece ter propriedades positivas para saúde e também, quando consumida em excesso, graves consequências. Que acalma, relaxa, mas também consegue pôr um intelectual a rir dos “Malucos do riso”. Que pode, ao que parece, induzir desmotivação, o chamado “síndrome amotivacional” ( se bem que se possam apontar outros factores responsáveis por este efeito perverso). Que pode causar dependência psicológica, mas que a dependência física nunca foi provada. Que qualquer toxicodependente já consumiu cannabis, mas que o inverso não é verdade – há quem argumente, por exemplo, que todos os toxicodependentes beberam leite, mas que nem toda a gente que bebeu leite se tornou toxicodependente – um argumento a que sempre achei piada... Que é um facto que a sua potência tem vindo a aumentar nos últimos anos (embora, na minha opinião, e sublinho opinião, não se possam assumir relações de causa-efeito devido a este aumento).
De todas as drogas ilegais, a cannabis é aquela que maiores dúvidas origina. Reparem que escrevi sempre “pode” ou “parece” quando me referi aos seus efeitos. Ainda não há certezas absolutas em relação a muitos destes e outras variáveis parecem concorrer com a substância para os mesmos. Afinal, a cannabis parece ser uma das substâncias que mais dependem das variáveis de personalidade, contexto e biológicas para os seus efeitos. Não tem, por exemplo, o potencial de habituação da heroína, mas pode causá-la. Por outro lado, numa sociedade que sempre utilizou drogas, para os mais diversos fins, não deixaria de ser paradoxal para um visitante de outro planeta descobrir que a mesma sociedade que aceita o uso de álcool e tabaco, proíbe o de cannabis…Estamos na altura das queimas das fitas e digo-vos que se os estudantes universitários optassem pela ganza em detrimento do álcool, haveria certamente menos problemas, menos acidentes e menos danos físicos…
Sou a favor da Marcha da Cannabis, principalmente porque coloca na ordem do dia, talvez de forma secundária, a necessidade de investigação séria e bem feita metodologicamente acerca duma substância que gera tantas paixões. Nesta como noutras situações, o calor do debate do pró e do contra por vezes encobre as verdades científicas. Mas, de qualquer das formas, só no contexto de um debate esclarecido é possível desmascarar tantos e tantos moralistas que deturpam o conhecimento actual. Ou os libertários pouco informados (pelo que me apercebi, parece haver menos destes).
A minha posição em relação ao estatuto legal da cannabis é simples e baseia-se em experiências já testadas no estrangeiro: Agradar-me-ia ver um sistema semelhante ao da Holanda (ou, em segundo lugar, da Espanha) em Portugal. Isto por razões pragmáticas e que já desenvolvi noutro sítio, após ter lá ido ver como as coisas são feitas: comparativamente, a Holanda teve um aumento de consumidores de cannabis menor do que os países que seguem uma linha mais proibicionista. Isto quererá dizer alguma coisa…
Paralelamente, as razões de liberdade individual e auto-determinação são apelativas para mim. Os adultos deverão ser livres de escolherem consumir uma substância se assim o quererem e se isso não trouxer problemas para a sociedade. No estado actual de coisas, consomem e trazem problemas: É necessário haver um traficante para haver um consumidor. O dinheiro obtido de esta transacção é utilizado de formas muito mais negativas que os efeitos nefastos da cannabis. Controlando a sua venda – pelo estado, porque não – não só se retiraria uma fatia importante dos lucros dos negócios das drogas como se poderia utilizar as verbas obtidas na própria luta contra a droga, na investigação científica, enfim, em coisas úteis.
Porque não experimentar? Já se percebeu que a outra opção não funcionou…

Publicada porVictor Silva à(s) 22:08  

49 comentários:

Anónimo disse... 13 de maio de 2008 às 19:48  

d

Jose disse... 16 de maio de 2008 às 09:07  

Concordo. Apesar de nao consumir, muitos dos meus amigos consomem, uns mais outros menos, e nao me incomoda nada, ate porque ficam muito mais bem dispostos. A mim, por outro lado, que ja experimentei, da-me dores de cabeça... detesto os efeitos em mim.

Mas acima de tudo concordo com a liberalizaçao, pela questao do tráfico, que assim seria muito menor e as coisas mais controladas. O fruto proibido é sempre o mais apetecido...

marta disse... 20 de maio de 2008 às 11:51  

olá. vim e vou ficar consigo. precisava de saber onde encontrar a sua tese para consulta. foi publicado?se não, devia.
um abraço e até breve
marta

Victor Silva disse... 20 de maio de 2008 às 17:27  

olá
A minha tese está disponivel para consulta na biblioteca da Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto, bem como na sede do IDT em Lisboa.
Em breve espero poder anunciar a publicação de um livro baseada na investigação.

marta disse... 21 de maio de 2008 às 08:55  

boa!!!!!
pensava que o idt já tinha publicado.
obrigado

Anónimo disse... 21 de maio de 2008 às 15:35  

ao menos acabava se com dealers que se fartam de ganhar guita com produtos de baixa qualidade

Pinto disse... 22 de maio de 2008 às 07:32  

Artigo publicado no "The Lancet"
"Consumo de cannabis pode aumentar risco de doenças mentais em 41 por cento
Os consumidores habituais de cannabis e até aqueles que só experimentaram esta droga uma vez na vida apresentam um maior risco de desenvolver uma doença do foro psíquico, segundo um trabalho de uma equipa de investigadores britânicos publicado hoje na revista médica "The Lancet".
A equipa ¿ dirigida por Teresa Moore, da Universidade de Bristol, e Stanley Zammit, da Universidade de Cardiff ¿ analisou 35 estudos feitos até 2006 com o objectivo de avaliar uma possível ligação entre o padrão do consumo de cannabis e a ocorrência de doenças mentais. A análise concluiu que as pessoas que experimentaram cannabis pelo menos uma vez na vida têm 41 por cento mais hipóteses de desenvolver problemas psíquicos.
Segundo o estudo, a probabilidade de desenvolver este json de doenças aumenta proporcionalmente em relação à frequência do consumo.
Situações como a depressão, a tentativa de suicídio ou problemas de ansiedade não estão, no entanto, directamente relacionadas com o consumo de cannabis, esclarecem os investigadores, uma vez que as ligações encontradas nesta área têm pouca consistência.
"Os governantes dos países têm de alertar a população para os riscos do consumo desta droga. Já há certezas suficientes para dizer às pessoas que consumir cannabis aumenta o risco de desenvolver doenças mentais ao longo da vida", alertam os investigadores.
"A cannabis é normalmente considerada tão prejudicial como o álcool, os estimulantes [como a cafeína e a nicotina] ou os opióides [substâncias que servem para aliviar a dor]. No entanto, os efeitos prejudiciais da cannabis a longo prazo estavam a ser ignorados", escrevem os investigadores Merete Nordentoft e Carsten Hjorthaj, da Universidade de Copenhaga, num comentário publicado na mesma edição da "The Lancet". "Os governos faziam bem em investir em campanhas bem construídas e eficazes de educação sobre os riscos do consumo de cannabis para a saúde", pode ler-se no comentário.
De acordo com o relatório da União Europeia "A Evolução do Fenómeno da Droga na Europa", publicado no ano passado, "a cannabis é a substância ilegal mais consumida na Europa".
Sessenta e cinco milhões de adultos europeus, ou seja, 20 por cento das pessoas entre os 15 e os 64 anos, experimentaram cannabis uma vez na vida e a taxa de consumo dos jovens europeus entre os 15 aos 24 anos varia entre os três e os 44 por cento.
Segundo as últimas estatísticas do Instituto da Droga e da Toxicodependência, referentes a 2005, a cannabis é a substância ilícita mais consumida em Portugal."
Fonte: Público Notícia original

Mas engraçado foi ver os comentários a esta notícia: pareciam histéricas a criticar o estudo. Apareceram logo uma dúzia de "especialistas" a criticar os verdadeiros especialistas do estudo. Porque a amostra foi pequena; porque um estudo com base em inquéritos não é fidedigno; porque a cannabis não faz mal; porque isto é tudo uma conspiração; bla bla bla.
Como John Lasseter caricaturou tão bem estas figurinhas (muito abundantes na pseudo-intelectual e velha Europa) na personagem da carrinha VW da cidade Fillmore, no filme "CARROS" ("ia men, sê livre").

E depois, como não podia deixar de ser, lá vem o exemplo da Holanda, um país que, ao contrário do nosso que tem a capital mais segura da UE, tem a menos seugura. Ah...também vou publicar essa notícia para dissipar eventuais dúvidas:
"Lisboa é, juntamente com Helsínquia (na Finlândia), a capital mais segura da Europa, num conjunto de 18, sem que isso implique, porém, particular reconhecimento pela actuação policial, revela um recente estudo europeu sobre segurança (The European Crime and Safety Survey)."
(DN, 21 de Fevereiro de 2007)

marta disse... 23 de maio de 2008 às 09:45  

olá de novo... passei por esta revista e lembrei-me de si:
(um número inteirinho dedicado à cannabis)
http://www.drogues-sante-societe.org/vol2no2.php

rythas disse... 26 de maio de 2008 às 22:50  

Antes de mais, Drº Victor Silva, quero dar-lhe os meus parabéns pelos temas que aborda, assim como a maneira como o faz!
esta na hora de deixar-mos de falar em democracia em Portugal...
pois tudo e decidido por seres superiores neste Pais, a explicação cada vez é mais: PORQUE SIM.
para o Srº Pinto, digo-lhe, se deixar-mos de fazer tudo o que dizem que faz mal, penso que havia dias onde não tinhamos nada para fazer... Abraços para todos e não tenham medo de experimentar de tudo um bocadinho, enquanto por cá andam...

Ricardo Pereira disse... 27 de maio de 2008 às 00:58  

De facto como são tantos os utilizadores desta substancia ilegal deveria legaliza.la.

Será que Deviamos legalizar a fuga ao fisco ? é mais comum no nosso país !!

Para os iluminados que vão afirmar : "uma coisa não tem a ver com outra"

A resposta é : EXACTO !!
Uma comparação entre qualidades, caracteristicas(o facto de ser praticado por muita gente) e nao objectos(droga e fuga ao fisco) de análise caracterizam uma analogia.

Um abraço aos drogados e as melhoras

Anónimo disse... 27 de maio de 2008 às 23:24  

c.miguel
Olá Marta, se quizeres fumar umas e depois divagar sobre essa tese, acho que ia ser ...voilá inspirador p.s. responde aqui

Hugo disse... 29 de maio de 2008 às 12:26  

boas

Gostaria de por uma questao que me faz pensar um pouco quando leio algo sobre a cannabis em Portugal.
Se quem consome em Portugal nao é penalizado, ou seja, quem for apanhado com uma quantidade minima não é preso, e a plantação da mesma é proibida, como é que os ditos consumidores conseguiram chegar à posse da cannabis? Se produzissem quantidades que se podessem julgar razoaveis para consumo proprio, como se faz hoje em dia em zonas do pais com alguns produtos regionais, a aguardente de medronho no Algarve por exemplo, não iria diminuir o trafego e a clandestinidade? e com isso poupar dinheiro para coisas como educação e saúde, em vez de se gastar cada vez mais em barcos e agentes da policia? esta minha interrogação é um pouco elaborada na serie-ficção "ERVA" que está a passar na RTP 2

dezinça disse... 30 de maio de 2008 às 18:00  

Fumo todos os dias um charro assim como bebo um ou dois copos de vinho tinto ao jantar.
Ambas as substancias fazem-me muito bem.
Não tomo qualquer espécie de barbituricos, psicotrópicos e afins.Desprezo os psiquiatras (acho-os mesmo inuteis no campo das drogas) e suporto,com desdem, os psicologos.
Não tomo medicamentos de farmaceuticas exceptuando os antibioticos.Também não consumo, agora,qualquer espécie de droga.
(pois para mim a canabis não é uma droga).Sinto-me lindamente e até acho que desde que comecei a fumar diáriamente um charro, a minha vida mental fisica e sexual, melhorou substancialmente.
Deve-se é ter medo e muito cuidado com os psiquiatras.Ou se portam como caixeiros-viajantes das grandes farmaceuticas a quererem inpingir todos os tipos de comprimidos,ou são idiotas preconceituosos e snobes,ou são mentalmente mediocres e quadrados(a sua grande maioria).
Quanto aos charros penso honestamente que só podem fazer bem a quem com eles vive graciosamente.
Chamo-mo Paulo Raul vivo em Lisboa e tenho 50 anos.

Tania disse... 21 de setembro de 2008 às 11:05  

Percebo que a cannabis ou as ganzas n tenham efeitos imediatos visiveis, mas experimentem viver e ter um filho com alguem que consome e depois digam-me se continuam a encarar com tanta leveza as coisas. Desde o medo da criança nascer com sequelas ao medo de algum dia ser mais propensa ao desenvolvimento de habitos de consumo, ou problemas ao nivel da personalidade. Quem consome tem sempre um discurso egoista, devia entao pensar em ser celibatario ou associar-se apenas a consumidores. Desafio quem diz que n tem repercussoes sociais a experimentar a minha vida e manter a tese. Por n andarem sujos e a arrumar carros na rua n quer dizer que n haja consequencias do seu consumo. Mais ainda, tentem faze-la escolher entre o vicio (que dizem que n e vicio)e a familia...nunca se esqueçam que toda a acçao tem reacçao e tudo aquilo que nos faz sentir muito bem atrai-nos irremediavelmente.

Anónimo disse... 29 de outubro de 2008 às 20:25  

Não percebo porque complicam uma coisa tão simples. Ninguem e obrigado a fumar portanto so fuma quem quer, em segundo lugar se conhecem alguem que tenha causado problemas ou tenha tido problemas por causa da gansa não foi culpa da gansa mas da pessoa que a consome em terceiro toda a gente que fuma gansa sabe o mal que esta faz e cabe a cada um saber se vale a pena consumila. Eu fumo gansas todos os dias e não tenho quaisquer problemas por isso.

Anónimo disse... 10 de novembro de 2008 às 13:28  

eu fumo diariamente e tamém nunca tive problemas com ninguem,uma sociedade cheia de perconceito,mentes fracas que se limitam a ficar com o que sabem sem se esforçarem para saber mais sobre o tema em questao,e mais... isso sim.é uma verdade bem real no quótidiano de cada um que diz o que ouve e nao lê acerca para saber o que diz.tnho 67 anos e desde jovem que fumo sem nunca ter problemas de gravidade maior,se pode causar cancro!!! o tabaco também o faz no entanto milhares de pessoas o fumam com a cannabis sinto me bem, divirto me,tnho uma vida completamente normal como toda a gente inclusive faço sempre desporto para manter o meu ritmo mas isso já da cada um.os meus parabéns dr.victor silva espero desde á muito como deve imaginar a legalizaçâo da cannabis espero que seja legal um dia não para mim mas para todos os jovens que a consomem poderem ter os seus momentos de diversão e desfrutarem do seu efeito humorista. nao esquecendo que é mais saudavel que um cigarro com a vantagem de nos fazer rir e passar bons momentos

Jonas84 disse... 21 de fevereiro de 2009 às 18:27  

Para os menos informados sobre a questão, fica aqui um excelente trabalho efectuado pelo canal odisseia.
"Drogas e Cérebro - Cannabis"

http://video.google.com/videoplay?docid=-63889304842317643&hl=en



Dr. Victor Silva, espero velo numa das marchas pela legalização da cannabis.

Anónimo disse... 13 de março de 2009 às 22:17  

É pá! Gosto muito de fumar uma ervita todos os dias, faz mal concerteza, mas alivia-me o stress que a vida ás vezes nos traz. Acho que um elevado consumo pode levar a um desgaste emocional que provocará estados de ansiedade ou depressão influentes na nossa vida. Espero que os putos de agora saibam controlar o consumo pois se abusarem isso vai prejudicá-los no vosso dia a dia,é fixe apanhar umas mocas mas á que saber fumar.

dezinça disse... 16 de março de 2009 às 18:41  

"É pá", se por ventura "uma ervita" te alivia o stress, não te faz assim tão mal. Fiquei comovido com a preocupação por ti demonstrada para que os "putos de agora saibam controlar o consumo". Eu, apesar de ter 50 anos, ainda sou um puto, só te tenho a agradecer a preocupação.
E não fumes se por ventura isso te provoca problemas. Caso contrário diverte-te porque com ou sem canabis é exactamente aqui e agora, que tu tens a possibilidade de ser feliz.

Rute disse... 10 de abril de 2009 às 22:16  

concordo com algumas coisas , mas não deixo de pensar que a Ganza não devia de existir . Tenho amigos que se estão a destruir com essa porcaria e é muito triste ver isso , eu gosto tanto deles , eles são boas pessoas mas metem-se naquilo...nunca me disseram para exprimentar mas não gosto nada que fumem disso. Sintu-me uma inutil por não consegui que eles deixem a ganza.
Entrei neste site por aqazO , andava no Google á procura de dicas para os ajudar , mas até li que a ganza é 'fixe' (noutros sites) ..isto revolta-me , cmo é q uma coisa q faz tanto mal pode ser boa? Onde é que as pessoas que escrevem isso andam cm a cabeça?
O mundo está realmente perdido,(aos fumadores de Ganza , não levem a mal mas é o q eu acho)

Rute , 14 anos

Anónimo disse... 2 de maio de 2009 às 18:16  

Gostava mesmo de saber quais são os tipos de efeitos que faz?

dezinça disse... 4 de maio de 2009 às 11:36  

Amigo Anónimo de 2 de Maio de 2009 18:16, o primeiro efeito é o de ser mal visto e por ventura desprezado por muita gente, se o virem ou vierem a saber que o meu amigo Anónimo fumou.O segundo efeito é o de abstracção.E passadas umas 3 horas o terceiro efeito é de grande apetite.

Paulo disse... 19 de maio de 2009 às 05:02  

Bem, tenho 22 anos e fumo cannabis diáriamente sou filho de uma grande mulher de 43 anos que fuma cannabis desde os 18... Isto não fez com que ela deixa-se de ser uma optima mãe e tambem não fez com que deixa-se de ser uma boa profissional no seu trabalho.

Desde que teve conhecimento que eu fumava sempre me desaconselhou a consumir cannabis, não proibio mas passou-me toda a informação que foi juntando ao longo dos anos em que consumo. Concorda que é uma droga de "patamar" que abre portas a drogas mais duras... Muitos dos seus amigos, da mesma geração que levou com "invasão" das drogas pós 25 de abril, perderam-se em drogas mais duras. No entanto naquela altura não existia informação acerca destas e de outras drogas nem tão pouco era assunto abordado pelos pais aos seus filhos.

Hoje em dia com a informação disponivel, de uma vez por todas, é necessario acabar com essa errada ideia.

Julgo que o seu consumo não traz vantagens.. Tal como o consumo excessivo de alcool, café, medicamentos, ou até internet( como provado em recentes estudos) etc...

Um consumidor de Haxixe, ou de erva ou de outro qualquer extracto de cannabis não pode ser rotulado de "drogado"! É errado...

Nada melhor que chegar de um dia cansativo de trabalho, jantar, e substituir o tão usado "digestivo" (Whisky, agua-ardente ou vários tipos de licôres) por um belo de um charro. Se assim fosse em vez de um bêbado a bater na mulher teriamos um ganzado a rir-se e a divertir-se com toda a familia.

Dezinça, estou consigo. ;)

_Paulo

K@ng disse... 25 de maio de 2009 às 19:24  

O texto est mt bem organizado e concordo planeamente, sou fumador á 12 aos de estufacientes "ganza" "pólen" "erva" etc...com quimicos sem quimicos lol, mas o que realmente interessa e sabermos os nossos limites, as "mokas" é assim que se chamam ou "jardas" são o estado mais maravilhoso de um individuo que pode passar pelas nossas cabeças, é fantastico o que o nosso cerebro realiza após uma "BOA queimadela" o meu cerbero aumento a capacidade desde que me tornei um "Fumador de Maravilhas" tenho mt mais creatividade e inspiraçao adoro escrever poemas cantar...é bom fumar alem disso sendo asmatico "AH QUE TIRAR PROVEITO DAS MOKAS VALE A PENA..." mais alguma coisa em kang_fu61@hotmail.com

paulo raul disse... 26 de maio de 2009 às 16:09  

O Srº Pinto de 22 de Maio de 2008 7:32 foi, sem duvida, até agora, o que apresentou mais estudos. E o seu achado, que até é insuspeitamente Inglês, afirma coisas terríveis como "as pessoas que experimentaram cannabis pelo menos uma vez na vida têm 41 por cento mais hipóteses de desenvolver problemas psíquicos." ou "Sessenta e cinco milhões de adultos europeus, ou seja, 20 por cento das pessoas entre os 15 e os 64 anos, experimentaram cannabis uma vez na vida e a taxa de consumo dos jovens europeus entre os 15 aos 24 anos varia entre os três e os 44 por cento." Eu fiquei destroçado. E a acreditar nestes estudos, todos nós vivemos numa sociedade depravada e perversa em toda a Europa, e tudo por culpa desta maldita substância que é dá pelo sinistro nome de canàbis. Quase que entrei em depressão. E se não fosse um charrito que tinha ali mesmo á mão, não sei não. Eu não sei se o senhor Pinto, em confraria com o insuspeito jornal "The Lancet" mais os insuspeitos demagogos Ingleses, já criou alguma Igreja á moda adventista para salvar estas perdidas almas da canábis. Espero que sim para poder partilhar do vosso espectáculo e sofrimento, agora que já acabou o campeonato Nacional.

Anónimo disse... 16 de junho de 2009 às 00:32  

Olá a todos, ja consumi varios tipos de Canabinóides e gostava de fazer uma pergunta ao Dr.Victor Silva(ou se outra pessoa me sober responder...)

Tenho consumido o chamado "polen", que pelo que sei tem varios aditivos, e "erva" , mas principalmente polen e a ums tempos para ca tenho sentido uma falta de memoria e dificuldade em perceber textos mais elaborados a primeira e dificuldade em me concentrar apenas numa coisa, e gostava de saber se isso tem alguma coisa haver com o facto de consumir "polen"?

Por outro lado tenho sentido um grande aumento da imaginação e pensar em tudo e mais alguma coisa, mas principalmente sobre a existencia, existencia de deus, o porqué das coisas, resumindo, as grandes duvidas que possivelmente nunca verei resolvidas.

Penso, penso e penso em perguntas como esta:
Num estado democratico, quem "manda" é o cidadão, e para tal são realizadas votações para escolher um partido que nos representa, que é a nossa voz. No entanto há muitas coisas que os partidos nao abordao, como por exemplo a legalização da Cannabis. Assim como se fez um referendo para ver se a maioria das pessoas queria legalizar o aborto, deveria-se realizar um referendo sobre a legalização das drogas. Pais em que vivemos é nosso, sim, nosso, nos é que devia-mos dizer o que se pode ou nao fazer. [quando digo nos, quero dizer que deveria ser votado pela maioria e a maioria é que dicide]


O dinheiro que é gasto em patrulhas, meios contra o trafico e apreenção deveria ser gasto, por exemplo em educação, melhorar os niveis de ensino, [quando digo niveis de encino nao estou a falar dos numeros, estou a falar do conhecimento de cada um] dividia-se as turmas e aumentava-se o numero de professores (com as turmas mais pequenas os alunos teriam menos destraçao, os professores controlariam melhor a aprendizagem de cada aluno e por consequencia o suceso escolar).

Mas como iria o estado(nos) pagar tudo isto?
Legalizando as drogas leves o estado ganharia uma parte do valor de cada produto, e esse valor daria certamente para pagar tudo isso.

Não sei bem como acabar este comentario mas acho que encontrei uma frase perfeita para isso:

"O homem quando bebe álcool, afia uma faca e mata.
Mas quando fuma erva ele afia uma faca e diz:
Deixa, a vida mostrará a ele"

Nazaré disse... 17 de julho de 2009 às 03:38  

Boas
Eu fumo ganza há largos anos diariamente!
Ela é espectacular em tudo mas pra mim so tem um senão: se fumas em demasia ( de manhã, á tarde e á noite e vários charros em cada tempo do dia) ficas muito inerte! E dás te ao comodismo e descuras o teu futuro! Vives o presente e perdes uma coisa fundamental na vida: ambicionismo!
Cumprimentos a todos!
Enjoy your join!

Anónimo disse... 5 de janeiro de 2010 às 13:03  

Olá, gostei da sua abordagem a este tema que tanta polémica trás cada vez que se fala em "GANZA", Eu fumo haxixe para relaxar e deixei de fumar á 6 anos esqueci-me de dizer que sou ex-toxicodependente, e estou sem consumir a minha droga de eleição á 15 anos, tenho "amigos" que tinham dependencia de alcool e estavam mesmo a entrar no caminho da cirrose, e eu aconselheios a fumarem haxixe, e sabe que mais? , hoje são individuos "libertados" daquela dependencia, e estão bem de saude.O meu conselho é ; não tenham medo de experimentar, pois a vossa experiencia vai contribuir para o conhecimento de outros, mas atenção ao abuso destas substâncias, pois elas a longo prazo provocam alterações do foro psicologico. Um abraço.

Anónimo disse... 26 de abril de 2010 às 03:47  

bla bla bla bla
bebo 1 2 cafes por dia sou drogado?
fumo 1 2 ganzas por dia,sou drogado?Obvio que Nao
simplesmente fumo porque me faz sentir bem,isso de estudos se for preciso é tudo mentira.quem prefer viver uma vida de seca a trabalhar pa viver ate aos 100 anos que viva perfiro me divertir e morrer aos 70. fumo com os meus amigos, rimo-nos muito,a ganza existe por todo o lado, quer querem quer nao, mas á uma coisa a que se chama (RESPEITO),respeito quem nao gosta destas coisas, nao tem de ver alguem a fazer uma ganza,se fosse legal obvio que os problemas diminuiam,imaginen que a ganza era legal mas o alcool nao era,tavamos aqui a discutir se o alcool devia ser legal ou nao, e tavam ai com estudos e essas tretas todas,é obvio que a ganza pode fazer mal, mas tudo faz mal ate se comermos de mais pode fazer mal,cada um toma conta de si, agr nao venham é pa aqui dizer que faz mal e tal, por nunca experimentaram nada se for precisos a isso chamasse cromos que nao sabem o que é a vida,vida so temos 1 aproveitem porque podem ir amanha numa passadeira e morrerem e queq fizeram da vida? estudos pa impedir os outros de se divertirem e serem cromos ? dr pinto muito bom trabalho
ja agora queq nos podemos fazer para tornamos a ganza legal?
Adriano 18 anos Caldas da rainha

Anónimo disse... 29 de abril de 2010 às 23:47  

ola. tenho varios amigos q ja esprementaram ganza. gostava de ter mais informaçoes tipo: quais os efeitos imediatos? qunto tempo dura a moca?

Anónimo disse... 20 de maio de 2010 às 12:43  

Boas!
Eu fumo ganza e erva quase diariamente, e não consigo entender essas pessoas que fazem estudos e publicam artigos contra essas susbtancias, e sem duvida nenhuma que alguns para não dizer muitos desses especialistas fumam canabis ou ganza. Fumar um charro é algo que só fumando se entende, o pensamento vai alem de tudo, pensamos e pensamos, tudo isto na paz. Fumo a alguns anos, e pelo que sei e acho, ninguem fica mentalmente perturbado ou doente mental por fumar charros, isso são mitos e quem se mete nas drogas pesadas é porque quer e não por consequencia do charros, tambem já vai da educação de cada um.

Quem fuma é porque gosta e se sente bem consigo, e socialmente penso que não ah melhor para manter o bom ambiente entre todos.

Em relação a legalização nem devia comentar, porque os portugueses tem uma mentalidade retardada e se te virem a fumar um charro, olham de lado e chamam drogado, mas eu ignoro esses ignorantes, que não sairam de casa e ficaram a estudar para terem uma licenciatura e um dia ao sairem do trabalho são atropelados e morrem.

Li isto noutro blog :
A esperança media de vida de um fumador de canabis é maior do que a de um condutor que conduz a 180km/h.

Cumprimentos a todos e boas mocas ;)

Anónimo disse... 4 de agosto de 2010 às 01:27  

ok.. Eu sou uma rapariga de 16 anos começei a fumar tabaco aos 15,dois meses depois exprimentei uma ganza, gostei da sensaçao e repeti,repeti e voltei a repetir.. quando dei por mim nao passava um dia sem fumar ganzas, compro 5€ de polen todos os dias gosto mesmo da sensaçao da "moca" mas nao e por ai que ando a roubar ou a matar eu nunca sequer exprimentei outra droga, gosto de estar com uns meua amigos e fumas uns picas nao e por isso que sou uma drogada ou carocha nao e ? o problema foi depois eu pesava 53k e agora peso 43k e so isso que me esta a assuntar.. mas agora começei a tomar umas caplulas e engorei 1k ja e bom bem fiquei bem e nao fumei muito

Anónimo disse... 8 de setembro de 2010 às 23:06  

Olá...
todo este "mediatismo" em torno do consumo de drogas (ganza)...

Analisemos atentamente...

Situação nº1, sito:

- O rapaz q vi ontem no sitio X começou a ingerir Vinho, substância legal, tudo muito bem, 1hora depois começou aos murros e pontapés com tudo o que estava em seu redor.

Conclusão situação nº1, sito:

- 2 pessoas feridas, 1 inconsciênte, 1 morto




Situação nº2, sito:

- O rapaz foi sair ao bairro alto, numa determinada esquina, começou por sacar da sua mortalha, filtro, tabaco, produto, ...
Voila! A belaaaaa! (subs. ilegal)
30 minutos depois e mais umas em cima por ali ficou sentado.

Conclusão da situação nº2, sito:

-O rapaz morreu ali sem fazer mal a uma mosca, a não ser a si mesmo claro.

Não quero com isto dizer, de forma alguma que apoio o consumo das mesmas, mas analisando os factos, sim, visto ser esta a forma pela qual interpretamos/condenamos e classificamos tudo o que nos rodeia na sociedade, visionamos que o desfecho do consumo da situação nº1 foi um pouquinho mais dramático que o da sit. nº2.



Aqui fica um conselho para deixarem as drogas leves:

consumam pesadas.
Aquele abraço ao pessoal do BodyBoard, boas Vagas.


Com os melhores cumprimentos

Orlando Casemiro Faustino Luva Rota
Santo António dovailáquejálavouter
6019 - 000 Manteigas

Carlos Queiróz disse... 8 de setembro de 2010 às 23:20  

Boa, o melhor comment foi o do Anónimo do dia 8 de Setembro de 2010... Oh rapaz agora tenho de resolver o meu processo com a federação portuguesa, mas já segui o teu conselho para deixar as leves!!!

capitolina disse... 8 de setembro de 2010 às 23:24  

ola! eu hoje cheguei a uma conclusão! depois de vários anos a tentar analisar o comportamento descompensado da minha familia, cheguei a conclusão que seguiram com certeza o conselho do jovem que diz para largar as leves consumindo pesadas! epa.. quanto a voces nao sei, por mim fico-me mesmo pelas leves, que de malucos ja bastam os meus pais :) peace

Anónimo disse... 12 de dezembro de 2010 às 00:59  

boa noite comecei a fumar aos treze tenho 23 e n fumu a poko mais de duas semanas vendi muita ganza e posso dizer k nao fumava "comia" tantas eram tive em amestredam e o sitio onde sempre vivi parece ou é mais legal k amestrdam mas sei tb k eu n soube fumar por falta de maturidade e axo k passa por ai muita gente começa a fuma rpor falta de estrutura familiar e de apoio e sei k perdi muito a pala da ganza por minha culpa n sabia viver e é facil cair no desleixo se consumires muito mas tb sei k se n abusares cm em td podes curtir muito a moka e teres boa vida seres boa pessoa axo k ta td a volta da maturida da pessoa e da estrutura mental de cada um

Daniel disse... 26 de dezembro de 2010 às 01:04  

Boa noite:
Embora esteja sob o efeito, fumei uma de erva ainda há pouco, não posso deixar de ficar estupefacto com a maioria dos comentários aqui. A imagem de atrasados mentais que vocês passam dos consumidores de ganza é de ficar de queixo caído. Obrigado por falarem por mim e outros consumidores, escrevendo coisas totalmente sem nexo e num português/ortografia de fugir. Vou fumar outra, ver um filme e esquecer as tristes figuras que aqui li.

Ricardo Baía disse... 11 de janeiro de 2011 às 21:59  

Com o devido respeito pelo Sr Dr Psicólogo e isto nas palavras de um antigo consumidor de drogas leves e pesadas (ou ex-toxicodependente se preferir a palavra) durante muitos anos (mais de 7) posso dizer, se me permite (e a minha opinião vale o que vale) que o "Sr Dr Victor Silva - Psicólogo" não percebe "puto" do que fala.
Só para "apontar" alguns aspectos em que discordo com o Sr Dr: Logo no inicio diz «..qualquer toxicodependente já consumiu cánabis..» Mas então, um consumidor de cannabis não é um toxicodependente? A cannabis não causa dependência? Ou sou eu que sou completamente estupido e não acompanhei o seu raciocínio. É que eu posso afirmar que a cannabis causa forte dependencia psicológica e que causa efeitos graves e irreversíveis no cérebro a médio/longo prazo.
Pouco depois diz qualquer coisa como «..se os estudante universitários optassem pela ganza en detrimento do alcool haveria certamente menos acidente e menos danos físicos.» Deixe-me dizer-lhe que depois de uma simples ganza (como o Sr Dr lhe chama) vem sempre mais uma e depois, quem sabe, outra e muito provávelmente quando estivermos suficientemente ganzados não nos vamos ficar por aí e vamos querer beber uns copos bem bebidos (e isto porque a ganza dá uma sede dos "diabos"!) e aí vão aparecer os acidnetes e os danos fisicos de que o Sr Dr fala (mas SÓ porque beberam umas cervejas...)
Diz ainda no final «..ou os libertários pouco informados (pelo que me apercebi parece haver menos destes..» então pelo que pareceu a mim o Sr Dr faz parte desta minoria, portanto já não são assim tão poucos..enfim, é de rir!
Para os que estão curiosos em experimentar, lembrem-se que foi a curiosodade que matou o gato. Porque não cortar o mal pela raiz e apostar antes na prevenção. Depois do mal feito não há muito a fazer, não digo que a recuperação não seja possivel, eu mesmo, já não consumo drogas (nomeadamente cannabis, heroina, coca, crack, etc, etc.) há alguns anos mas, uma coisa vos posso assegurar: A VIDA NUNCA MAIS SERÁ A MESMA.
Ao Sr Dr Vitor Silva: Se os tiver no sitio, como eu acredito que os tem não irá apagar este post, caso contrário deixo-lhe o meu mail e podemos «debater» lá o assunto.
Obrigado
com os melhores cumprimentos
rjpbaia@hotmail.com

Ricardo Baía disse... 11 de janeiro de 2011 às 22:29  

Ao Sr Daniel que colocou um post antes de mim (Ricardo Baía): "nós" escrevemos coisas totalmente sem nexo e num português/ortografia de "fugir" e o Sr vai fumar outra para fugir de quem? Só se for de si!
Cumprimentos
Ricardo Baía, 28 anos

Anónimo disse... 10 de fevereiro de 2011 às 02:52  

Devido ao meu actual emprego deixei de fumar "ganzas" só porque regularmente tenho que fazer análises à urina para fazer o despiste. Adoro marijuana, erva, maconha.
Daria tudo para poder substituir os 10 cigarros que fumo por dia por um simples charro no final do dia. Antigamente fumava 1 ou 2 charros por dia e não fumava tabaco algum. Hoje em dia não fumo charros mas fumo entre 6 e 10 cigarros por dia.
Quando fumo um charro, fico na paz, tranquila da vida. Quando estou com os copos, sou uma rapariga violenta.

Deixo aqui a reflexão.
Maria, 26 anos. Braga

Roberta Vargas disse... 1 de março de 2011 às 13:05  

Concordo com voçê victor, hoje em dia a sociedade é muito hipócrita também, pois ela usa e fingi que não.
Eu particularmente uso de vez enquando e acho que a legalização seria correta, pois o lucro iria para o governo e eles poderiam ter um controle maior sobre a marijuana.

Anónimo disse... 21 de maio de 2011 às 21:54  

Fumem muito sim, a vida são dois dias! Há que aproveitá-la ;)

Paulo Raul disse... 23 de maio de 2011 às 10:13  

Yes We Canabis.

Adamares disse... 1 de junho de 2011 às 22:28  

Olá,
Boa Tarde.
Vocês já estão sabendo do novo informativo da Parceria UNIMED/CRP?
Não?
Entre em contato comigo:
25178668/ 36819114
ou pelo e-mail:
adamaressilverio.ibbca@yahoo.com.br

Atenciosamente,
Adamares Silvério
IBBCA Administradora de Benefícios

Anónimo disse... 25 de outubro de 2011 às 02:32  

Fogo, é preciso ser mesmo nabos, podeis ser mais velhos que eu, pois eu cá so tenho 9 anos, tinha 7anos ja fumava altos paivas, nunca fui maluco, dizem que a partir de uma certa idade "21 anos" se apanha doenças como por exemplo: escrisofenia... Creio isso ser uma treta, más vos explicarei porque, porque uma pessoa que consome apenas uma dose diariamente bem calculada, mas sem abuso, nunca irá ter problemas mentais, tal como ume a pessoa que consome um copo de tinto a refeiçao, eu creio que tenho um cerebro muito mais avançado que todos na minha turma, e creio que é de o que fumo, pois nao sou muito de conviver com as pessoas, sou mais independente, dependo a minha solidao :) porque é a solidao que me faz feliz, e sozinho que uma pessoa aprende, e cometendo erros... Pois como evidente...

Ab a todos
-Hiam

Anónimo disse... 17 de janeiro de 2012 às 03:44  

ola.. tenhu 18 anos e fumo tabaco ,ganza,erva e bolota á 3 anos e sinceramente prefiro bolota..nao troco por nada.Apesar de achar que o tabaco é um vicio muito maior que o haxixe..ja tive opurtonidade de exprimentar md e quiza(branca) mas optei por nao exprimentar..apesar de ter alguma curiosidade.
Gostava de partilhar uma coisa que aconteceu comigo há uns meses..
tudo cumeçou qnd já fumava ganzas a mais de 1 ano e deixei de me sentir bem qnd fumava, ja nao ficava alegre parecia que quer fumasse quer nao fumasse estava sempre com a mesma moca...depois comecei a ficar paranoico..pensava que toda gente sempre estava falando mal de mim..mais tarde comecei ouvindo vozes...havia dias em que nao durmia, fazia diretas a ovir as tais vozes.
isso tudo durou cerca de 2 a 3 meses..eu fiquei 2 meses sem fumar droga e toda essa paranoia sumiu..mas de vez em qundo ainda hoje tenhu "flashs" de algumas situacoes...
neste momento fumo como antigamente e nao tenhu qualquer problema.
mas as vezes tenhu medo de voltar aquela situacao.

Anónimo disse... 23 de janeiro de 2015 às 21:31  

Boa noite doutor queria saber se fumar uma ganza por mês me ea fazer mal tenho 18 anos e que eu ando a tuamar umas capsulas para a memoria e cm eu n fumo tds os dias queria tambem saber se a minha perdrda d memoria se dv as ganzas ja agr estou a flr de polen

Anónimo disse... 23 de janeiro de 2015 às 21:52  

Podem me responder

Sergio varela disse... 15 de dezembro de 2016 às 01:24  

Boas chamo me sergio sou de lisboa
e tenho uma pergunta doutor... é assim comecei a fumar polen aos 13 anos fumei bolota polen erva .... mas sempre mais polen pq os outros elementos ou nao a dinheiro ou e mau produto , por volta dos 17 dei em md varias vezes e agr com 19 mudei de vida vim do algarve ond vivi vida toda para lisboa e deixei todas essas rotinas so fiquei com o meu pika de polen fumo polen normal e a 2 semanas pa tras que comeco a sentir dormencias no joelho , nas maos , dores no peito apeertos, barulhos nos ouvidos , voltas ao estomago entrentanto a cinco dias atras fumei muita ganza por volta de 5 pikas em 1 hora como sempre aqui nos bairros tudo mundo aspira ganza e rocas maradas e quando cheguei a casa entrei nos sintomas todos e pensei que ia ter ataque cardiaco passei essa noite muito mal pensei que ia mm bater a bota , a minha mae nao acreditava no que dizia.
Ela tabem fuma e dizia me vais ficar esquizofrenico , estes sintomas ficavam no meu corpo dia tudo mas pior quando fumava muito ent na manha seguinte fui medico disse o que senti e ele me deu sos victan para por debaixo da lingua ainda nao tomei nenhum mas tabem nao fumei mais nenhum pika faz dois dias que nao fumo ganza so cigarro mas ainda sinto as vezes o peito um pouco apeertado e dormecias joelho mas muito pouco mesmo nada comparado ao que senti que ia morrer tendo ja lindo e acho que tenho ansiedade com panico de morrer com os sintomas que ansiedade me da queria saber se acha que nao devo mm fumar mais ganza na minha vida e nem devo por mais md ou beber alccol se isto vai ser assim pa sempre estes sintomas da ansiedade ou vai desaparecer sou atleta campeao de bmx race e nestes ultimos meses perdi vontsde de sair treinar achava todos tavam a querer me lixar a vida e achava que ia morrer com ataque cardieco ... que vc acha que devo deixar mmesmo a ganza ? Ela que me faz entrar em panico de morrer? Como para cm ansiedade ? As vezes so de pegar no telefone para ver uma mensagem comeca logo os sintomas mas muito leves .... sou tao novo nem abusei assim tanto e fiquei assim .... e mais uma coisa fumei erva mas nao conseguia mais doque uns 3 bafos pq erva me da mocas muito agressivas tres bafos e fico viajando nem consigo falar nem me mexer o que vc acha doutor ?

Enviar um comentário

Blogger Template by Blogcrowds

 
Technorati Profileblogaqui? Directory of Psychology Blogs Blog Directory
Who links to me?